21 de junho de 2012

John Byrne

Ocupação: roteirista, desenhista
Ano de nascimento: 1950
Naturalidade: Inglaterra
Estréia: Histórias de terror (que chegaram a ser publicadas no Brasil, nas páginas da saudosa revista Spectro, editada pela Vecchi).
Primeiro êxito com super-heróis: Depois de passar por títulos como Marvel Team-Up e Iron Fist, Byrne começou a se destacar ao desenhar uma fase marcante dos X-Men, no final dos anos 70.
Grandes trabalhos: Byrne teve passagens brilhantes por títulos como The Avengers, The Incredible Hulk e, principalmente, Fantastic Four. Ainda na Marvel, escreveu e desenhou os primeiros números da revista da Tropa Alfa. Em 1985, mudou-se para a DC Comics, onde reestruturou o personagem mais importante da editora: o Super-Homem. De volta à Marvel, deixou sua marca em títulos como West Coast Avengers, Namor e The Sensational She-Hulk (onde, pela primeira vez na história, uma super-heroína demonstrava saber que era uma personagem de quadrinhos). Paralelamente, no selo Legend distribuido pela Dark Horse, desenvolvia projetos próprios como Next Men, Danger Unlimited e Babe. Há pouco tempo voltou à DC, onde vem se dedicando às aventuras da Mulher-Maravilha e dos Novos Deuses.
Curiosidades: Quando estudava na Escola de Arte de Alberta, fez um trabalho de fim de ano tão bom (por acaso, era um gibi), que a própria instituição se encarregou de imprimir 500 cópias do mesmo.

Nascido em 06 de julho de 1950, na Inglaterra (aos cinco anos mudaria-se para o Canadá), John Lindley Byrne é hoje considerado um dos mais completos artistas do mundo dos quadrinhos. Começou sua carreira como desenhista na extinta editora Charlton, na revista Wheelie and the Chopper Bunch, a versão para os quadrinhos do desenho animado Carangos e Motocas. No final de 1975 foi para a Marvel, onde desenhou o título Iron Fist (Punho de Ferro), escrito na época por um outro jovem astro em ascensão, chamado Chris Claremont. Devido ao seu estilo dinâmico, Byrne foi escolhido, em 1977, para substituir o desenhista Dave Cockrum naquele que estava se tornando um dos títulos mais vendidos da Marvel, The Uncanny X-Men, também roteirizado por Claremont. Contando as aventuras dos heróis mutantes, Claremont e Byrne (que se tornou o co-roteirista da revista) alcançaram o status de estrelas dos quadrinhos, criando sagas já clássicas, como "Dias de Um Futuro Esquecido" e "A Saga da Fênix Negra". Infelizmente, após uma série de desentendimentos com Claremont, Byrne saiu dos X-Men em 1981 para assumir a função de escritor e roteirista da revista do Quarteto Fantástico . Em 1986 ele foi para a DC, onde reformulou o Super-Homem. Ao longo dos anos teve passagens brilhantes em títulos como Hulk, Namor e Tropa Alpha. Em 1992 lançou através da editora Dark Horse uma revista de super-heróis criada totalmente por ele, os Next Men. Atualmente John Byrne está de volta à DC, escrevendo e desenhando a Mulher-Maravilha.